O AFETO

De 31 de Março a 17 Setembro 2017

Com a inauguração da galeria, há cinquenta e três anos, no espaço da livraria já existente, Manuel de Brito quis criar um lugar de encontro onde os visitantes pudessem ver obras de arte, consultar livros ou ouvir música. Ao longo dos anos estabeleceram-se fortes laços de amizade e cumplicidade com a grande maioria dos artistas e clientes.

A coleção, reunida ao longo deste meio século, tem sido apresentada no CAMB, nos últimos dez anos, é composta maioritariamente por obras dos artistas que foram expondo na galeria.

Na exposição O AFETO vão estar obras oferecidas à família Brito por cinquenta artistas, de Sonia Delaunay, nascida em 1885, a Rui Pedro Jorge, nascido em 1987, em ocasiões especiais como visitas a ateliers, o Natal, o nascimento dos filhos ou os aniversários. E são tantas que muitas tiveram de ficar de fora.

Sonia Delaunay, Arpad Szenes, Vieira da Silva, António Dacosta, Bertina Lopes, Vespeira, Júlio Pomar, Menez, Arthur Luiz Piza, Luis Caruncho, Sérgio de Camargo, Lourdes Castro, Bartolomeu Cid dos Santos, Eduardo Luiz, Costa Pinheiro, José Escada, Gonçalo Duarte, João Vieira, Paula Rego, José de Guimarães, Jorge Martins, Ascânio MMM, Manuel Casimiro, Barton L. Beneš, Noronha da Costa, Fernando Direito, José Moura-George, David de Almeida, Pedro Avelar, António Palolo, Fernando Calhau, Graça Morais, Vitor π, Rui Pimentel, António Conceição Júnior, Manuel Rosa, Alex Flemming, Ilda David’, Miguel Rebelo, Urbano, Ana Vidigal, Fátima Mendonça, Miguel Telles da Gama, Joana Salvador, Joana Vasconcelos, Celestino Mudaulane, João Leonardo, Francisco Vidal, Gabriel Abrantes e Rui Pedro Jorge são os artistas representados.

São muitos os desenhos, pinturas em papel, telas, esculturas em mármore, madeira e bronze, gravuras, litografias e serigrafias, mas também um colar feito com pombas fosforescentes, uma pregadeira feita com uma tecla Return e uns botões de punho com as teclas M e B de máquinas de escrever, feitos por Joana Vasconcelos.

Destacam-se ainda uma tela de Júlio Pomar, como prenda de casamento, uma carta de despedida de António Dacosta, recebida nas véspera da sua morte, em 1990, um desenho a pastel, A Marquesa saiu às Cinco, oferecido por Paula Rego, aquando da sua exposição individual no CAMB, ou um Retrato de Manuel de Brito pintado por Fátima Mendonça após a sua morte.

Maria Arlete Alves da Silva

Fátima Mendonça, Retrato de Manuel de Brito, 2006, pastel de óleo sobre tela, 200 x 170 cm
 

Lourdes Castro, Carro e Caricas, 1963, técnica mista sobre tela, 46 x 65 cm

Fátima Mendonça, Manga, 2003, lápis de óleo sobre papel, 158 x 140 cm