PENSAR EM GRANDE

De 13 de abril a 30 de Setembro 2018

Ao longo dos últimos onze anos mostrámos, no CAMB, a grande maioria das obras da coleção Manuel de Brito partindo dos anos 10 do século XX até à atualidade e, paralelamente fomos apresentando individualmente os artistas mais representados na coleção como António Dacosta, Júlio Pomar, Menez, Lourdes Castro, Bartolomeu Cid dos Santos, Paula Rego, Manuel Baptista, Eduardo Luiz, José Escada, Noronha da Costa, Eduardo Batarda, António Palolo, Graça Morais e Fátima Mendonça.

Constatámos que até aos anos 50 as pinturas tinham pequenas dimensões, aumentaram um pouco nos anos 60 e a partir dos anos 70 houve uma explosão de grandes formatos. No século XXI aumentaram ainda mais.

Ao fazermos o levantamento para esta exposição foram selecionadas muitas das obras de grandes formatos, porém a seleção final representa apenas um terço do projeto inicial porque se teve de harmonizar as obras de maior dimensão aos vários espaços expositivos.

A exposição começa nos anos 60 com obras de João Vieira, Júlio Pomar e Costa Pinheiro. Os anos 70 estão representados com obras de Noronha da Costa e António Palolo. Dos anos 80 temos obras de José de Guimarães, Paula Rego, Eduardo Batarda, Menez, Xana e Alex Flemming. Os anos 90 têm trabalhos de Ana Vidigal, Urbano, Mimmo Paladino e José Loureiro. Da primeira década do século XXI temos obras de Julião Sarmento, Pedro Casqueiro, Antonio Seguí, Júlio Pomar, Rui Sanches, Rui Chafes, José Pedro Croft, Fátima Mendonça, Ricardo Angélico, Rigo 23, Isabelle Faria, Manuel Caeiro, Bruno Pacheco, João Pedro Vale, Francisco Vidal e Gabriel Abrantes. Da segunda década mostram-se trabalhos de João Leonardo, João Francisco, Pedro Valdez Cardoso, Rui Miguel Leitão Ferreira e Celestino Mudaulane.

São quarenta e quatro pinturas, colagens e esculturas em madeira, ferro, vidro e sal.

Maria Arlete Alves da Silva
 

Celestino  Mudaulane, O labirinto dos abutres o capitalismo e sua consequências e Ndzumb, 2016, tinta-da-china sobre papel, 200x300 cm

Paula Rego, Lela playing with Gremlin, 1984, acrílico sobre tela, 220 x 200 cm
Rigo 23, Sinal de Stop, 2007, vinil sobre acrílico, 260 x 150 cm